Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

Operação Furacão: Iberomoldes alvo de buscas

A Iberomoldes foi alvo de buscas no âmbito da investigação fiscal denominada «Operação Furacão», revela a agência Lusa citando notícias veiculadas pelo Jornal de Negócios e Diário de Notícias de hoje. Os diários revelam que as buscas às duas empresas, consideradas modelo, decorreram na semana passada e tiveram como objectivo recolher informações sobre alegada fuga e fraude fiscal. Henrique Neto, que lidera a Iberomoldes, empresa sedeada na Marinha Grande, confirmou ao JdN a visita dos inspectores fiscais, mas mostrou-se «nada preocupado» com uma acção que considerou «normal».

«Tivemos aqui o fisco há três ou quatro anos e desta vez vieram cá e fizeram nova inspecção. Não só aqui, mas também a Iber-Oleff [participada em 30% pela Iberomoldes] e em muitas empresas da região», disse o empresário ao jornal económico.

Em declarações à agência Lusa o administrador da Iberomoldes negou hoje que a sua empresa tenha sido investigada por fuga ao fisco, tendo precisado que as buscas realizadas ao grupo pelos serviços das Finanças eram dirigidas a outras empresas. «A semana passada fomos visitados pela PGR e serviços das Finanças que nos comunicaram que a investigação não era sobre a nossa empresa mas sobre outras com quem nos tínhamos relações comerciais», explicou.

Durante «toda a manhã e parte da tarde», os inspectores «foram a vários computadores, ficaram busca e cópia das questões que entenderam», recorda o empresário. «Não temos razões para suspeitar que estamos em falta», justificou Henrique Neto que, no entanto, admite que possam existir questões pontuais na relação fiscal do grupo com o Estado.

«São coisas complexas», disse Henrique Neto, recordando que está pendente um processo nos tribunais do grupo contra o Estado sobre uma interpretação diferente sobre os impostos a pagar, relativa a «uma visita semelhante a esta há cinco anos».

«Acharam que tínhamos qualquer coisa a pagar e nós pagámos essa diferença de impostos. Mas depois, como achávamos que tínhamos razão, fomos para tribunal para sermos ressarcidos num processo que ainda se arrasta», explicou.

Segundo os jornais, sobre a empresa de Henrique Neto recaem suspeitas de fraude com recurso a sociedades «offshore» para modificar resultados fiscais do grupo. O empresário, que é também vice- presidente da Associação Industrial Portuguesa, nega que a Iberomoldes e a Iber-Oleff tenham participações em sociedades «offshore».

Recorde-se que o ex-deputado socialista criticara há duas semanas o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, João Amaral Tomaz, por ter referido no Parlamento que algumas das mil maiores empresas portuguesas estavam envolvidas em fraude fiscal. «Se as grandes empresas fogem ao fisco é porque o Governo tem deixado», afirmou na altura o empresário.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.