Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Empresários esperam há 15 anos por indemnização da Brisa

Cerca de cinco milhões de euros é a verba que dois empresários de Leiria exigem à Brisa por terrenos argilosos atravessados pelo traçado da Auto-estrada A1 em Condeixa, Barracão e Meirinhas. Os proprietários não aceitaram o valor proposto para a expropriação e o caso arrasta-se há 15 anos, revela a edição de hoje do Diário de Leiria.

O caso remonta aos anos 90, quando a Brisa informou os dois empresários – na altura administradores da Sorgila – que o traçado da A1 iria passar em 50 mil metros quadrados de terrenos que possuíam no Barracão, Meirinhas e Condeixa, propondo-lhes um valor para a expropriação, adianta o diário.

Os empresários recusaram a oferta da Brisa, por a considerarem irrisórias, e a construção da auto-estrada avançou sem haver acordo entre as partes.

Rui Outeiro e Luís Carlos explicaram ao Diário de Leiria que a passagem da auto-estrada nos terrenos de Condeixa, férteis em argila, impossibilitou-os de fazer a exploração daquela matéria-prima, que servia para alimentar as empresas, e inviabilizou a construção de uma empresa para fabrico de telha e tijolo.

LE com Diário de Leiria

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.