Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

Dificuldades financeiras levam Fipromolde a pedir insolvência

A administração da empresa Fipromolde anunciou ontem aos trabalhadores que vai pedir a insolvência da firma, o que poderá levar ao despedimento das duas dezenas de funcionários. Em causa está a a falta de capacidade para contrair créditos junto da banca de modo a modernizar os equipamentos, revela a agência Lusa.

«Em Fevereiro começaram a deixar de pagar as horas extras» e «agora dizem que têm problemas financeiros» que não permitem a continuação da empresa, afirmou um dos trabalhadores que ontem esteve reunido com a administração mas pediu o anonimato. «Sem máquinas novas, os clientes não nos pedem trabalho» e «não é possível continuar», revelou o operário.

Segundo os trabalhadores, a administração vai pedir a insolvência e anunciou o despedimento a prazo das duas dezenas de operários que possui.

A Fipromolde, está localizada na zona industrial da Marinha Grande e foi fundada em 1984. Com produção de moldes para injecção de plásticos e de fundição injectada, a empresa dedicava 80% à exportação para mercados como a África do Sul, Egipto, Israel, Estados Unidos ou Europa.

A Lusa tentou obter um comentário junto da administração mas ninguém respondeu aos pedidos de informação nesse sentido.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.