Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Negócios de biotecnologia

Quais são as dificuldades de criar uma empresa de biotecnologia em Portugal? E de a manter e consolidar? Que oportunidades podemos esperar deste sector? A revista INVEST foi conhecer três realidades distintas e mostra as dificuldades e as vitórias de quem está a apostar na biotecnologia.

Por um lado, um projecto a que falta financiamento e espaço. Por outro, uma start-up que já produz, mas está longe de operar nas condições ideais e, por fim, uma empresa em fase de reinvestimento, para quem o mercado já não tem fronteiras. Exemplos de inovação e saber no uso de tecnologia baseada em Biologia. E se, em Portugal, os modelos ainda são escassos, a verdade é que este sector – ou conjunto de sectores – já representa, no Produto Interno Bruto da União Europeia, praticamente o mesmo que o sector agrícola. E promete continuar a crescer.

Também nesta edição de Maio da revista INVEST conheça as melhores empresas do distrito de Castelo Branco e descubra como uma boa ideia promete ensinar as novas gerações a respeitar a natureza e lucrar com isso. Está a germinar, na Cooperativa da Batalha.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.