Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

«Sou a favor de uma cidade-aeroporto»

«Só depois de sabermos que aeroporto queremos é que podemos discutir onde é», disse o economista Augusto Mateus, no 4.º Congresso da ADLEI. O ex-ministro da economia de António Guterres, que é o autor do Plano Estratégico do Oeste, disse ser «a favor de uma cidade-aeroporto», que é o de que o País necessita, em termos de posicionamento estratégico: «Se não for assim, Portugal perde competitividade relativamente a Madrid ou Barcelona».

Augusto Mateus, que falava na secção “Competitividade Territorial”, disse não pretender alinhar em «discussões apaixonadas» e que «uma debate sobre se o aeroporto deve ser na Ota ou em Rio Frio é um debate tonto», revelou que «uma cidade-aeroporto necessita de uma área de 3.000 a 4.000 hectares, e a Ota, na melhor das hipóteses, terá 2.000 hectares».

O professor universitário e consultor frisou que Portugal é o País da União Europeia a 27 que menos cresce e que necessita de se especializar para ganhar competitividade: «Os recursos são escassos e não podem ser desperdiçados com a dispersão de objectivos», defendeu.

Augusto Mateus defende «descentralização estratégica»

Crítico da organização do Estado, Augusto Mateus disse que o País não se pode desenvolver se um investimento está à espera seis anos e defendeu, para aumentar a competitividade de Portugal, uma «descentralização estratégica» e «pôr fim aos governos sectoriais e ter governos temáticos».

Quanto à regionalização, que começa de novo a estar na ordem do dia, o economista disse que «vale a pena fazer a experiência das NUT III, que «respeitam o municipalismo mas dão-lhe massa crítica». «Eu fazia esta experiência e não a perturbava com critérios meramente políticos».

LE com comunicado da ADLEI

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.