Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

Produtor chinês de painéis solares quer entrar na Europa através do Alentejo

O grupo chinês Yingli, que produz os painéis solares para a central solar de Moura disse hoje querer aumentar a sua presença no mercado europeu aproveitando a visibilidade do projecto alentejano, que será a maior central solar do mundo, revela a Lusa.

Pang Chou, responsável do Departamento de Mercados Internacionais da Tianwei Yingli Solar, disse em declarações à agência Lusa em Pequim que a produtora chinesa de células e painéis solares espera também aumentar a presença no mercado português. «Portugal, pelas suas condições geográficas, tem uma superioridade óbvia quanto à produção de energia solar».

«O país tem condições para ser um grande produtor de energia solar e nós temos muita vontade de aprofundar a cooperação com as empresas portuguesas», afirmou Pang.

Em Novembro de 2006 a Yingli Solar assinou com a companhia energética espanhola Acciona, que gere a central de Moura, um contrato de fornecimento de painéis solares num total de 42 megawatts de potência. A Acciona anunciou que poderá também a vir a comprar mais 20 megawatts de painéis à Yingli Solar para a segunda fase de construção da central alentejana.

A primeira fase da central de Moura, um total de potência instalada de 42 megatwatts, tem conclusão prevista para 2008, enquanto a segunda fase, com capacidade para 20 megatwatts deverá terminar em 2010.

A Yingli Solar, uma empresa privada criada em 1998, tem como objectivo ser uma das principais empresas mundiais na indústria solar, diz a equipa de gestão da empresa, que aponta como objectivo a médio prazo aumentar a produção de painéis até aos 600 megawatts.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.