Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

O apego aos clássicos

Célia Marques

(Entrevista publicada na Revista das 250 Maiores Empresas do Distrito de Leiria, editada pelo Jornal de Leiria e publicada a 26/10/2006 com o JdL e 29/10/2006 com o Público)

A ligação aos automóveis vem da parte do pai, que para além de representar a Volkswagen no distrito de Ferreira do Alentejo, participou, desde cedo, em competições. Luís Rosado recorda a sua presença no primeiro Rally Ibérico, em 1956, ao volante de um Porsche.

O empresário nasceu «praticamente dentro da oficina», o que viria a determinar o seu apego aos automóveis. Os primeiros da colecção de clássicos que reúne foram herdados do pai. É o caso do Morris Minor, de 1954, e do Fiat Topolino, de 1939, que foi por ele restaurado. Preço de aquisição? Cinco contos cada.

A competição automóvel surgiu em 1975, com a participação no Campeonato Nacional de Velocidade de Montanha, e durou até 1981. Foi no contexto da competição que adquiriu o Autobianchi Abarth, de 1975, o carro com maior palmarés do distrito de Leiria em Campeonatos Nacionais de Velocidade e Rampas em Grupo N, e o que viria a garantir a Luís Rosado o terceiro lugar absoluto no Campeonato Nacional de Velocidade e o primeiro da classe em 1981.

O Lotus Elan S.3, de 1967, tem também uma história para contar. Veio em peças, dos Açores, por ocasião da participação no Rally Volta aos Açores. Estávamos em 1980 e o investimento de 70 contos garante hoje reserva de valor de 40 a 50 mil euros. Da BMW, Luís Rosado guarda o modelo que ficou conhecido por ter a porta do condutor na dianteira do carro: um Iseta 600, de 1960. Praticamente restaurado está o Volkswagen Buggy de 1977, e em fase de restauro o Abarth Scorpione 850, de 1962, e o Sinca Rally II, de 1975.

Mas “nem só de carros vive o homem”. A colecção integra também motos, cada uma com a sua particularidade e o seu quê de raridade. Destacam-se a Husqvarna, de 1945, e uma Lambretta Sport 150 D, de 1955, herdada do pai, que era representante da marca no Alentejo. A Panther 75, de 1939, é uma mota inglesa, produzida numa fábrica que laborou durante apenas um ano, e que viria a encerrar por causa da II Guerra Mundial, um episódio histórico assegura a existência de pouquíssimos exemplares.
Testemunhas oculares comprovam o que Luís Rosado afirma com visível orgulho: nesta colecção avaliada em 250 mil euros «tudo pega à primeira!»

Enquanto os filhos, Luís Rosado e Pedro Rosado, dão seguimento a duas das suas paixões: os automóveis e o vinho – tendo criado, recentemente, a empresa vinícola Paço das Côrtes – Luís Rosado irá constituir, brevemente, uma empresa na área de correctoria de seguros, com ligação a um grande grupo internacional.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.