Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Vendas de vinho português estagnaram em 2006

O sector português do vinho continua estagnado, com vendas de 977 milhões euros em 2006, resultado de um menor consumo interno e mais concorrência nos mercados exportadores, de acordo com um estudo da consultora DBK, divulgado hoje, revela a Lusa.

Entre 2004 e 2006 a produção vendida manteve uma tendência de «estancamento», com o sector a registar ainda 1.600 produtores inscritos no Instituto dá Vinha e do Vinho (IVV), apesar dos processos de concentração dos últimos anos. A consultora refere que as vendas no ano passado aumentaram cerca de 1% face a 2005, altura em que ascenderam a 968 milhões de euros, menos 1,7% que no ano anterior.

Um número considerável de produtores são cooperativas, predominantes quanto à elaboração de vinhos regionais e de mesa, ainda que a sua participação na produção total tenda a reduzir-se.
Nos últimos anos verificaram-se «importantes operações de concentração empresarial por parte de destacados produtores de vinho do Porto», no intuito de ampliar a sua carteira de marcas e variedades, gerar economias de escala e favorecer a capacidade exportadora, revela o estudo.

Exportações de vinho do Porto ascendem a 342 milhões

As exportações de vinho português têm como destino principal França, país que recebe cerca de 20% do valor total exportado, sendo o Reino Unido, a Holanda, a Bélgica, o Luxemburgo e os Estados Unidos clientes destacados.

O vinho do Porto é o principal componente das exportações, com vendas de 342 milhões de euros em 2005, equivalentes a 63% do valor total do vinho exportado por Portugal.

As cinco primeiras empresas do sector – Sogrape Vinhos, Grupo Symington, The Fladgate Partnership, Grupo Grande Cruz Porto e Grupo Sogevinus – geraram conjuntamente cerca de 35% do valor das vendas totais de vinho produzido em Portugal.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.