Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Portugal pode ter central nuclear sem financiamento público

Portugal poderá ter uma central nuclear construída exclusivamente com financiamento privado, pronta a entrar em funcionamento dentro de oito anos e utilizando apenas matérias-primas nacionais, caso seja aprovada pelo Governo, revela o Dinheiro Digital, citando a rádio TSF, que faz referência ao relatório de viabilidade técnica e económica do projecto, a apresentar quarta-feira, durante uma conferência, em Lisboa.

Apesar de o Governo ter recusado a opção pelo nuclear, Sampaio Nunes, que dirige o projecto de energia nuclear em Portugal, não desiste da ideia, justificando que a produção de energia vai ficar mais barata, com reflexos na factura do consumidor, adianta o Dinheiro Digital.

Reduzir a factura eléctrica

«Podemos reduzir a factura eléctrica, que é claramente uma preocupação que neste momento a economia portuguesa tem e deve ter, sem que seja necessário qualquer tipo de subvenção pública», disse aquele responsável à antena TSF.

Sampaio Nunes explicou que «para a vida toda de uma central deste tipo são necessárias cerca de 15 mil toneladas de urânio», que é o que se estima existir em Portugal «em termos de reservas de urânio», excluindo assim qualquer necessidade de importação.

O estudo defende ainda que «a grande vantagem da energia nuclear em relação ao carvão» é o facto de o «combustível não pesar mais de 5% no custo final», o que afasta o cenário actual de condicionamento dos preços de energia pelo custo dos combustíveis fosseis. A construção da central nuclear pode arrancar dentro de quatro anos – criando até 400 empregos – e o reactor pode estar a funcionar em 2015.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.