Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Crédito no distrito cresce 71,4% nos últimos cinco anos

Célia Marques
(Artigo publicado na revista 250 Maiores Empresas do Distrito de Leiria, editada pelo Jornal de Leiria e publicada a 26/10/2006 com o JdL e 29/10/2006 com o Público)

Nos últimos cinco anos, o crédito em Leiria cresceu 71,4%. Trata-se da segunda maior subida, a seguir a Faro, uma performance que coloca o distrito em sexto lugar no “ranking nacional de crédito bancário”.

Segundo números da Associação Portuguesa de Bancos, em 2005, o crédito bancário no distrito de Leiria superava em 48 por cento a colecta de depósitos, ligeiramente acima dos 42 por cento registados a nível nacional. Foi no ano de 2000 que, pela primeira vez, o distrito não reuniu depósitos suficientes para fazer face ao crédito concedido, dois anos depois do mesmo ter sucedido a nível nacional.

Esta alteração na estrutura do negócio financeiro ganha ainda maior relevo se recuarmos a 1995, quando em Leiria o volume de depósitos dobrava o de crédito, e todos os distritos geravam depósitos suficientes para fazer face ao crédito concedido.

Se em 2000 apenas Aveiro, Braga, Lisboa, Porto e Setúbal não aforravam o suficiente para fazer face ao crédito, em 2005 já só os distritos de Bragança, Castelo Branco, Guarda, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu apresentavam maior volume de depósitos do que crédito.

A tendência para o crédito crescer mais do que os depósitos verifica-se, de resto, a nível nacional, o que tem obrigado a banca portuguesa a endividar-se no estrangeiro. No entanto, no distrito de Leiria essa divergência surge ainda mais acentuada: a taxa de crescimento do crédito em Leiria nos últimos cinco anos foi 71,84 por cento – face aos 41,27 por cento, a nível nacional – enquanto a subida dos depósitos se cifrou em apenas 13 por cento, face aos 23 por cento registados a nível nacional.

O recuo na taxa de crescimento dos depósitos no distrito de Leiria é também resultado, entre outros factores, da queda de 50 por cento verificada nas remessas de emigrantes, nos últimos cinco anos, para os 409 milhões de euros. Também a descida das remessas de emigrantes em Leiria supera a média nacional, que aponta para um recuo de 38 por cento, segundo dados do Banco de Portugal.

Quarta posição em negócio financeiro per capita

Mas vamos a “rankings”: em 2005, Leiria era o sétimo maior distrito do país em termos de depósitos, o sexto em crédito e em negócio financeiro (smi-soma do crédito e dos depósitos), e o quarto em termos de negócio financeiro per capita.

No que respeita ao volume de crédito, à frente de Leiria ficam apenas os distritos de Aveiro, Braga, Setúbal, Porto e Lisboa (por ordem crescente de importância). A mesma ordem verifica-se no ranking da rubrica de depósitos, no qual Leiria ocupa o sétimo lugar, depois de ter perdido o sexto para Faro, entre 2004 e 2005.

Em termos de depósitos, as maiores subidas dos últimos cinco anos verificam-se nos grandes centros urbanos, Lisboa e Porto, com cerca de 32%, e as menores em distritos como a Guarda, Castelo Branco, Portalegre e Viana do Castelo, com variações entre 0,35% e 2,3%. Apenas no distrito de Vila Real se registou uma ligeira queda de 0,58 por cento no volume de depósitos, entre 2000 e 2005, tendo sido também o único onde se registou uma descida da população residente.

Em termos de negócio financeiro per capita, o distrito de Leiria registou, nos últimos cinco anos, a quarta maior subida do país (34,78%), logo a seguir a Évora, Faro e Viseu, que cresceram cerca de 37%.

No distrito, entre os sectores que mais recorrem ao crédito – segundo as respostas obtidas em dez dos 16 bancos consultados – destacam-se a construção civil e obras públicas, indústria em geral, particulares (habitação) e comércio por grosso e a retalho, que figuram nos primeiros lugares da lista de cinco apresentada por cada uma das instituições.

A performance da última década

Nos últimos dez anos, o distrito de Leiria foi o terceiro que mais cresceu em crédito, a seguir a Viana do Castelo e Viseu, e o oitavo no que respeita à evolução dos depósitos (a seguir a Lisboa, Setúbal, Faro, Évora, Beja, Porto e Santarém). Os números do negócio financeiro per capita, por seu lado, colocam Leiria no grupo dos seis distritos que mais subiram nos últimos dez anos, depois de Setúbal, Lisboa, Beja, Évora e Faro.

De 1995 a 2005 verifica-se ainda que o peso do distrito no que respeita ao crédito total no país cresceu de 2,94 para 3,8 por cento, enquanto o dos depósitos recuou de 4,11 para 3,70 por cento. Quanto ao número de balcões, em 2005 Leiria tinha 5 por cento do total nacional, face aos 4,23 por cento em 2005. O número de balcões cresceu 69 por cento, para os 254 em Dezembro de 2005, repartidos pelos 15 bancos que marcam presença no distrito.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.