Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Volume de produção na construção deverá recuar o dobro do inicialmente previsto em 2006

O sector da construção em Portugal deverá fechar 2006 com uma queda do volume de produção de cerca de seis por cento face a 2005, quase o dobro da descida inicialmente prevista, afirmou à Reuters Joaquim Fortunato, presidente da Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas (AECOPS), revela a edição online do Diário Económico.

Para 2007, Joaquim Fortunato prevê uma quebra da produção menos pronunciada – de três por cento – resultado de uma melhoria do investimento privado, sobretudo estrangeiro que aposta na compra de segunda habitação ou habitação turística em Portugal.

O presidente da AECOPS reafirmou que a concentração no sector não é solução para as empresas nacionais e reclama a falta de dinamismo do mercado de reabilitação urbana, considerada uma das apostas principais para a reanimação do mercado.

«Acredito noutro caminho que não seja a fusão entre empresas e que é o caminho dos agrupamentos complementares de empresas, conhecidos por consórcios, e que operam em conjunto tanto em Portugal como no exterior», considera.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.