Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Gás natural português é dos mais caros da Europa

Portugal tem um dos preços do gás natural mais caros para os consumidores domésticos dentro da União Europeia. Na indústria, só os maiores clientes têm tarifas dentro da média, revela a edição de hoje do Diário de Notícias, citando dados do Eurostat referentes aos seis primeiros meses de 2006, publicados na síntese de energia de Agosto, do Gabinete de Estratégia e Estudos do Ministério da Economia.

Os consumidores domésticos nacionais pagavam o oitavo gás mais caro entre os 17 países da União Europeia, até mesmo em relação a Espanha, que apresenta uma carga fiscal mais elevada (14% face aos 5% em Portugal). A diferença é de quase três euros por unidade de medida.

Clientes industriais pagam o quinto preço mais caro da União Europeia

Na indústria, onde não incidem impostos, os preços portugueses continuam a ser dos mais altos para os segmentos médios, embora sejam competitivos para os grandes clientes. Para consumos anuais de 4186 gigajoule, as empresas portuguesas pagaram, no primeiro semestre, o quinto preço mais caro dos 19 países que apresentaram valores.

Em relação a Espanha, onde estão os principais concorrentes da indústria portuguesa, os nacionais pagavam mais 40%. Só os grandes clientes industriais, onde se inclui o sector eléctrico, é que têm um preço em linha com a generalidade dos congéneres europeus.

O facto de o gás natural ainda não ser um mercado maduro em Portugal, onde entrou há apenas dez anos face aos 50 anos de Espanha, e por isso mesmo ainda não estar liberalizado, é um dos factores que ajudam a explicar esta desvantagem nos preços. Por outro lado, e em parte pelas mesmas razões, o consumo médio nacional está muito abaixo dos valores da UE, o que contribui para que o preço seja mais alto.

LE com Diário de Notícias

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.