Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Biomassa é combustível alternativo para a indústria cerâmica

A biomassa representa uma alternativa para a indústria cerâmica. A maior vantagem deste combustível alternativo e renovável é o preço, mas a redução das emissões gasosas não se reveste de menor importância, uma vez que da sua queima resultam menos gases com efeito de estufa, relativamente à queima de combustíveis fósseis, revela o site do CENCAL – Centro de Formação Profissional para a Indústria Cerâmica.

O tema foi objecto de discussão dos cerca de 50 participantes no encontro promovido pelo CENCAL este mês em Leiria.

Segundo uma nota do CENCAL, aquele mercado, avaliado em 72 milhões de euros, pode representar novas oportunidades de negócio para as empresas, que devem estar atentas ao melhor momento para as operações comerciais.

«A grande dúvida é ainda a disponibilidade da biomassa em quantidade e qualidade para garantir um abastecimento contínuo, sem interrupções e sem grandes variações nas características essenciais, humidade e granulometria», destaca.

Para poder ser utilizada em fornos e secadores de cerâmica estrutural a biomassa tem apenas de sofrer operações de secagem e moagem. A utilização nas cerâmicas do barro branco, produção de loiça utilitária e decorativa, pavimento e revestimento e sanitários, obriga, no entanto, à prévia transformação da biomassa em biogás, processo que exige investimento num gaseificador.

A tecnologia da gasificação foi estudada pelo INETI (Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação), que tem uma unidade piloto em funcionamento e está disponível para promover a transferência da tecnologia para as empresas.

«Estima-se que seje de ano e meio o tempo para a amortização de uma unidade de gasificação para uma empresa de tijolo de média dimensão que consuma à partida apenas gás natural. O facto de na nova Lei-Quadro dos Resíduos de 5 de Setembro de 2006, a biomassa ter sido considerada um combustível e não um resíduo, facilita às empresas a sua utilização uma vez que evita o pedido de licenciamento», adianta a nota do CENCAL.

A biomassa tem origem nas florestas ou em cactos plantados para fins energéticos, ou provenientes de resíduos urbanos, industriais, ou pecuários ou ainda de resíduos de papel, cartão, têxteis, e madeiras.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.