Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Exportações da Marinha Grande subiram 9,54% em 2005

Célia Marques
cmarques@leiriaeconomica.com

As exportações na Marinha Grande cresceram 9,54% em 2005, para os 222,632 milhões de euros, uma subida levemente superior à registada no ano anterior, e acima da média nacional, que se cifrou nos 3,64%. Neste concelho, largamente mais exportador do que importador, o saldo comercial atingiu os 132,6 milhões de euros, face aos 129 milhões registados em 2004.

Quanto ao Pinhal Litoral (PL) – que engloba os concelhos da Batalha, Leiria, Marinha Grande, Pombal e Porto de Mós – viu as exportações crescerem apenas 2%, para os 579,442 milhões de euros. Ainda assim, como as importações caíram quase 1%, o saldo da balança comercial, embora se mantenha deficitário, passou de 114,056 para 95,945 milhões de euros.

Espanha recebe 49,51% das exportações do Pinhal Litoral

Os países de destino continuam a ser, maioritariamente, Espanha (49,15%), França (21,62%), Alemanha (13,72%), Reino Unido (8,56%) e Estados Unidos (4,52%), com as exportações extra-comunitárias a representarem 20,75% do total, face aos 19,17% de 2004.

Por concelhos, a Batalha canaliza 42% das exportações para França, Leiria 39% para Espanha e 16% para França, enquanto a Marinha Grande exporta para Espanha e para a Alemanha na mesma proporção (19%) seguindo-se França (17,01%). e Pombal exporta 37% para Espanha, que é também o maior receptor das exportações de Porto de Mós.

Marinha Grande regista saldo comercial largamente positivo

Pombal, Porto de Mós e a Marinha Grande destacam-se por serem concelhos mais exportadores do que importadores, sobretudo a Marinha Grande, que apresenta um saldo comercial positivo de 132,601 milhões de euros. O mesmo não se pode dizer do concelho de Leiria, que regista um défice comercial na ordem dos 240 milhões de euros, tendo visto as suas exportações deslizarem quase 5% em 2005.

Leiria deixa, deste modo, de ser concelho mais exportador, um protagonismo que passou a pertencer à Marinha Grande, que representa 38,42% do total de exportações do Pinhal Litoral (face aos 36,6% de Leiria).

Máquinas e aparelhos lideram exportações do Pinhal Litoral

Quanto à composição das exportações, as máquinas e aparelhos (secção em que o INE inclui também os moldes) representam mais de 33% do total, embora tenham registado uma ligeira queda de 0,7%, para os 192 milhões de euros.

A pedra cimento e produtos cerâmicos registam uma quebra de quase 60% para os 102 milhões de euros, passando a representar apenas 9,34% desta secção a nível nacional, face aos 23,38% do ano anterior.

As exportações de plásticos, por seu lado, subiram 14,66%, para os 100,3 milhões de euros, representando 17% do total de exportações do Pinhal Litoral e 6,67% desta secção a nível nacional. Destaque ainda para a subida de 23,77% dos metais comuns e suas obras, para os 39,758 milhões de euros.

Fonte: INE

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.