Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

Plasdan avança com produção de rolhas sintéticas

A Plasdan – empresa da Marinha Grande, líder mundial na engenharia e fabrico de equipamento e moldes multicomponentes – vai avançar com a produção de rolhas sintéticas. «Antevemos uma rápida substituição da cortiça por materiais sintéticos e temos tecnologia que permite fabricar vedantes sintéticos com cápsula, de uma forma inovadora e a preços competitivos», revelou ao Diário Económico, José Frazão, director geral da Moldepack, a empresa criada para o efeito.

Envolvendo um investimento de 1,2 milhões de euros, a Moldepack vai produzir, numa fase inicial, rolhas sintéticas com cápsula. Para os mercados que não estejam tão receptivos à substituição da cortiça pelo vedante sintético, a Moldepack tem em investigação um vedante composto pelas duas matérias, «um produto que abrirá portas no mercado da América do Sul e Central», considera José Frazão.

Mercados alvo: Vinho do Porto e Xerês

A primeira abordagem será feita ao mercado do Vinho do Porto e Xerês, sendo que a empresa já estabeleceu contactos com um dos maiores engarrafadores de Vinho do Porto, tendo registado uma «receptividade positiva», adiantou aquele responsável, revelando que o objectivo passa por atingir 40% do mercado ibérico deste tipo de vedantes, nos próximos quatro anos.

Nessa altura, a Moldepack deverá atingir breakeven e a produção uma velocidade cruzeiro de 40 milhões de rolhas por ano. O plano de negócios aponta para uma facturação anual entre 2,5 a 3 milhões de euros, dentro de cinco a seis anos.

A Moldepack é a segunda empresa portuguesa a avançar com o fabrico de rolhas de plástico.


Inovação

Tecnologia multicomponente: rapidez e diferenciação a preços competitivos

As rolhas da Moldepack, embora constituídas por duas peças (a rolha propriamente dita e a cápsula) são produzidas num único ciclo, ou seja de uma só vez, o que evita a operação de colagem e a utilização de colas. É o resultado da utilização dos moldes e equipamento multicomponente (que permite a injecção de dois, ou mais materiais num só molde), desenvolvido pela Plasdan.

Segundo José Frazão, trata-se de um processo «mais rápido e mais limpo, que permite entrar no mercado com preços competitivos». Esta tecnologia possibilita ainda «uma grande diferenciação estética, em cor e textura, possibilitando a entrada em nichos de mercado de elevado valor acrescentado».

O domínio da tecnologia envolvida no fabrico da rolha permite ainda «ajustar rapidamente o processo produtivo às necessidades evidenciadas pelo mercado, quer em quantidade, quer em pequenas séries com elementos diferenciadores, como sejam cápsulas de cor diferente, com injecção de tecido, madeira ou outro tipo de aplicações», finaliza.

Diário Económico

Notícias relacionadas

Rolhas sintéticas já têm 50% do mercado fora da Europa

Vinhos franceses começam a abandonar cortiça

Uma questão de matéria: natural ou sintética?

Qual é a melhor opção?

Os vinhos portugueses que já não acreditam na tradição

Exportações mantêm tendência de queda

«A cortiça é o vedante de eleição»

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.