Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

Derovo abre três filiais em Espanha

A Derovo, empresa de ovoprodutos de Pombal, vai abrir três filiais em Espanha (Sevilha, Catalunha e Madrid), visto o mercado espanhol absorver 95% das suas exportações, revela a edição de hoje do Jornal de Leiria.

A empresa exporta também para o Reino Unido, França e Angola. Contudo, para responder às novas solicitações, a Derovo terá de fazer novos investimentos, até ao fim do ano, instalando tecnologia que lhe permita colocar no mercado produtos com prazos de validade superiores.

A Derovo está apostada em inovar e o objectivo «é lançar dois produtos novos por ano nos próximos cinco anos». Numa primeira fase, serão produtos relacionados com o ovo cozindo e, numa segunda, com derivados de ovos. «São todos produtos que vêm preencher uma lacuna no mercado», garante o director geral da empresa.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.