Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

4ReCoDe quer reconverter resíduos da construção civil

Reconverter os materiais que resultam da construção e demolição de edifícios de forma a reaproveitá-los é o objectivo do projecto. A concretizar-se, a 4ReCoDe virá colmatar uma falha no mercado português, revela o Jornal Tribuna da Marinha Grande.

O reaproveitamento de materiais utilizados na construção civil e demolição de edifícios é precisamente o objectivo do 4ReCoD, um dos projectos em pré-incubação na Open – Oportunidades Específicas de Negócio, Marinha Grande. Para avançar, o projecto necessita de um investimento de 850 mil euros.

Cerca de 99 por cento dos resíduos de construção e demolição de edifícios continuam a ser depositados em aterros, por vezes ilegais, não havendo um reaproveitamento dos materiais. Quem o diz é Pedro Azevedo, um dos mentores do projecto. O engenheiro civil aliou os seus conhecimentos aos de Joana Santos, engenheira do ambiente, e dessa comunhão surgiu este projecto que, a realizar-se, virá colmatar uma falha no mercado português, considera. Na prática, falamos de uma empresa de gestão ambiental de resíduos de construção e demolição, o que engloba desperdícios como madeiras, vidro, cartão, plástico ou betão.

A 4ReCoDe deverá assegurar aos clientes a recepção, triagem e processamento de resíduos de construção e demolição. Serviços de reciclagem por contrato e de consultadoria ambiental no que se refere à gestão desse tipo de desperdícios são outros dos serviços disponibilizados. «Tradicionalmente recolhem-se os resíduos e depositam-se em aterros, que não estão preparados para receber esse tipo de materiais, e cujas taxas são elevadas», refere Pedro Azevedo à Tribuna da Marinha Grande.

«O que a 4ReCoDe propõe é fazer uma pré-triagem, separando os materiais em contentores. O betão, por exemplo, que representa cerca de 70 por cento dos resíduos, sofrerá um tratamento físico, sendo transformado em material de aterro mais fino (areias) ou mais grosso (seixos). Esse tratamento permite que haja um reaproveitamento dos materiais em novas construções», acrescenta. Este processo vem assim colmatar uma falha que existe no mercado português.

Tribuna da Marinha Grande

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.