Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Empresas indianas querem investir 150 milhões de euros em Portugal

Um grupo de empresários indianos quer investir, em Portugal, 150 milhões de euros no espaço de um ano. Os investidores pretendem entrar no País preferencialmente através de joint-ventures com empresas portuguesas, devido ao maior apoio local, explicou Pradeep K. Bakshi, partner da R. S. Bakshi & Co, que veio a Portugal representar os empresários, revela a edição de hoje do Diário de Notícias.

A sociedade indiana de advocacia e consultoria é o intermediário das seis ou sete empresas com interesse no mercado português, as quais querem desenvolver projectos nas áreas da tecnologia, biotecnologia, indústria farmacêutica, banca e telecomunicações.

A sociedade contactou entre 10 e 12 empresas portuguesas cotadas ou internacionalizadas e, segundo Tiago Caiado Guerreiro, advogado da sociedade Franco Caiado Guerreiro e Associados, já existem alguns negócios em fase avançada. Uma empresa da área das telecomunicações «vai deslocar-se em breve à Índia para negociar um projecto de instalação de redes ou infra-estruturas», sublinhou, mas há outros, sobretudo na área da construção, que podem concretizar-se em breve. As empresas portuguesas não pretendem entrar na Índia estabelecendo-se de raiz, mas sim através de joint–ventures ou aquisições.

Numa reunião com os jornalistas, os advogados indianos frisaram que só em oportunidades de infra-estruturas, o mercado indiano precisa de investimentos de 250 mil milhões de euros nos próximos cinco anos. As áreas da energia e telecomunicações são outras oportunidades para a entrada de investimento estrangeiro.

Em cinco dias, contactaram entre 10 e 12 empresas portuguesas cotadas ou internacionalizadas e, segundo Pradeep Bakshi, «algumas estão muito interessadas em investir na Índia». Apesar de ainda estarem em negociações, os advogados esperam que no próximo mês já estejam confirmados alguns investimentos, que espera «serem de muitas centenas de milhões de euros».

Se as negociações correrem como o previsto, o que vai passar pela divulgação dos incentivos à entrada de capital estrangeiro e das políticas liberais que têm sido tomadas nos últimos anos, a Índia espera que «Portugal possa ser uma plataforma para entrar no Brasil e outros países de língua oficial portuguesa», disse Pradeep K. Bakshi. Os responsáveis afirmaram, porém, que Portugal tem de flexibilizar a política laboral e que o Governo terá de ser pró-activo na desburocratização e na concessão de incentivos.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.