Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Formação & Ensino

Politécnicos levam leis ao parlamento

Os Institutos Superiores Politécnicos querem apresentar à Assembleia da República duas iniciativas legislativas. No centro desta proposta, dois objectivos: querem ter direito a contratar o seu pessoal, docente e não docente, e exigem que os seus professores possam fazer doutoramento com «tempo razoável», disse ao Diário Económico Luciano de Almeida, presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCIPS).

Na primeira iniciativa legislativa, os politécnicos defendem o direito de aprovar os seus quadros de pessoal, docente e não docente. Luciano de Almeida recorda que «oitenta por cento das pessoas que trabalham nos politécnicos estão em situação precária porque as instituições não podem aprovar os quadros de pessoal, tal como as universidades fazem».

A segunda reivindicação prende-se com o alargamento dos prazos dados aos professores para que concluam o doutoramento: Luciano de Almeida diz estar de acordo com a lei aprovada em Março, que exige que os docentes tenham mais formação, no entanto defende «um prazo de transição, caso contrário muitos professores correm o risco de ser despedidos». O CCISP volta assim a insistir para que seja criado um «período razoável» para que os professores possam obter o doutoramento, que não deve ser inferior ao das universidades, cerca de cinco anos.

Luciano de Almeida avança que «até ao fim do mês já devemos ter ultrapassado as 35 mil assinaturas necessárias». O CCISP está a recolher os apoios junto de funcionários, alunos e professores, mas também associações locais e todas as entidades com os quais se relaciona. Luciano de Almeida lembra que são muitas, pois os politécnicos têm uma «relação de grande proximidade com o tecido empresarial das áreas onde se estabelece».

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.