Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Emissões de CO2 estão a asfixiar sector cerâmico

As fábricas de cerâmica, em Portugal, estão a enfrentar grandes dificuldades no cumprimento das emissões de dióxido de carbono (CO2). O problema afecta, sobretudo, as empresas da cerâmica estrutural, onde se inclui a produção de materiais para a indústria da construção civil, como azulejos, tijolos e telhas.

A manutenção dos níveis de emissões de CO2 nos patamares definidos no protocolo de Quioto e que, simultaneamente, respeitem o Plano Nacional de Atribuição de Licenças de Emissão (PNALE), «é uma exigência que agrava a capacidade competitiva das indústrias nacionais», afirmaram ao DN os responsáveis das empresas.

Para João Marques, administrador da Margon, fábrica de barro vermelho da zona de Leiria, a questão das emissões «é um problema muito sério», especialmente porque «tem que ser visto e relacionado com os restantes custos de produção».

Ora, se os preços dos combustíveis, em que o gás natural representa uma factura «elevada», de acordo com João Marques, «constituem um factor de desigualdade das nossas empresas e dos seus produtos nos mercados internacionais, as razões de preocupação aumentam, quando temos de enfrentar outros factores que agravam, ainda mais, a nossa capacidade e a nossa competitividade».

Na sua opinião, o governo português deveria empenhar-se a sério na revisão dos critérios do PNALE, ideia partilhada por outros industriais, para os quais é incompreensível a diferença de tratamento e de condições entre as empresas instaladas em Portugal e em Espanha.

«Os critérios definidos para as unidades portuguesas são muito mais apertados», acrescentou João Marques, cuja fábrica destina cerca de 80% do total da produção ao mercado nacional.

Do mesmo se queixa Umbelino Monteiro, de Pombal, que exporta telhas para 16 países, mas que, recentemente, perdeu «uma encomenda de dois milhões para o Dubai, porque houve uma empresa espanhola que conseguiu chegar a preços que para nós são inacessíveis», queixou-se.

Umbelino Monteiro questiona igualmente os critérios vigentes. Mas o empresário de Pombal discorda, sobretudo, do processo de licenciamento, porque se diz «prejudicado». No seu caso, tem uma licença para emitir nove mil quilotoneladas de CO2, quando as necessidades da sua produção exigem chegar à casa das 16 mil. «Se a isso se somarem os custos dos combustíveis», sublinha Umbelino Monteiro, «veja o esforço e os sacrifícios que somos obrigados a fazer para manter as empresas com saúde e a competir num mercado que nos é cada vez mais desfavorável».

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.