Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Cinco das 72 empresas certificadas pelo Icep são de Leiria

Célia Marques

Cinco das 72 empresas que receberam, até agora, o certificado no âmbito do Programas Marcas Portuguesas (PMP) são do distrito de Leiria. Em causa estão marcas como a Spal, Global Source, Iberomoldes, RB Bernarda, Atlantis e Vista Alegre, bem como a possibilidade de usar o logótipo identificador da Marca Portugal e aceder a um conjunto de apoios à promoção no exterior.

Este tipo de certificação «significa o reconhecimento para o prestígio da Iberomoldes no plano nacional e, principalmente, internacional, bem como a notoriedade da própria marca Iberomoldes», disse ao Leiria Económica, Henrique Neto, presidente da Iberomoldes.

Quanto à dificuldade de obtenção da certificação, «como sempre acontece, existiu um processo burocrático, que teve a sua complexidade, mas que não foi excessiva», salientou.

Henrique Neto relembra que numa primeira fase um conjunto muito grande de marcas portuguesas foram escolhidas pelo ICEP e numa segunda fase houve uma selecção baseada numa lista de factores objectivos, com a colaboração de um Conselho das Marcas constituído por diversas empresas portuguesas. «É preciso notar que existe a perspectiva do número de marcas portuguesas escolhidas possa ainda crescer até cerca de 120», salienta o empresário.

Conselho das Marcas Portuguesas discute futuro com o Icep

Depois da certificação, em causa está a avaliação dos serviços e do que se pretende para o futuro. Foi com esse objectivo que os membros do Conselho das Marcas Portuguesas reuniram esta semana com responsáveis do Icep.

Segundo Teresa Carvalho, directora da Unidade de Comunicação e Marketing do Icep, a preocupação dominante, por parte do Icep, é a de «estimular as empresas a funcionar como motor do programa». A ideia passa por criar «uma frente conjunta entre as marcas portuguesas mais internacionais», sendo que a mensagem é «parcerias e mais iniciativa», afirma o Diário Económico.

Em cima da mesa do Fórum esteve ainda a criação de uma associação de marcas, que, segundo Teresa Carvalho, «é importante para ganhar escala».

Quanto ao papel do Icep, também em discussão no Fórum, passa por «promover e amplificar as marcas. Fazer acções de promoção, de comunicação, de produção de informação de acesso a mercados».

O Icep lançou um site e um livro das marcas, «um instrumento de prestígio para distribuir na rede diplomática, promover o Portugal das Boas Marcas», relembrou Teresa Carvalho.

No âmbito do apoio técnico conquistado pelas empresas certificadas está também previsto a acesso a consultoras com as quais o Icep tem protocolos de cooperação. Acrescem ainda os apoios financeiros disponíveis no PRIME -Programa de Incentivos à Modernização da Economia.

Como obter o Selo Portugal Marca Certificada

O Selo Portugal Marca Certificada é um sinal de certificação, propriedade do Icep Portugal, concedida apenas a marcas de referência no contexto da oferta portuguesa, criteriosamente seleccionadas e cujos produtos são sinónimo de criatividade, excelência e inovação.

Podem candidatar-se todas as marcas portuguesas que sirvam valores de reposicionamento e que preencham os requisitos definidos no regulamento da marca de certificação, entre os quais se destacam:

– A comercialização de produtos/serviços de qualidade reconhecida e adaptados aos mercados alvo;

– A prossecução de uma política de desenvolvimento de marca própria e de marketing assente numa abordagem estratégica dos mercados, baseada nos vectores qualidade, credibilidade, design, tecnologia, inovação e diferenciação;

– Um posicionamento estratégico ao nível da distribuição.

A avaliação das candidaturas é da responsabilidade do Icep Portugal.

Para mais informações sobre o Selo Portugal Marca Certificada contactar gabinete.marcas@icep.pt.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.