Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Autarquia divulga lista de contrapartidas para a construção do centro comercial

A Câmara Municipal de Leiria divulgou hoje um conjunto de contrapartidas para a construção do centro comercial nos terrenos municipais compreendidos entre o estádio e o mercado municipal. Destaca-se a construção de um pavilhão multiusos, a instalação do mercado municipal, a construção do Centro Coordenador de Transportes e o financiamento da aquisição de um terreno para a realização da Feira de Leiria e de outros eventos de ar livre, revela o site da autarquia.

Mas a lista não fica por aqui. Os investidores interessados em participar no concurso público internacional para a construção do centro comercial, que a autarquia decidiu lançar em Janeiro último, devem ainda apresentar uma proposta de construção de equipamentos desportivos de treino e apoio ao estádio municipal e relocalizar o Centro Associativo Municipal, no centro histórico, e em instalações próprias.

Em causa está também a construção do jardim da Almoinha Grande, o apoio a iniciativas de animação da área central da cidade e a criação de um circuito de transportes públicos que assegure a ligação entre a nova superfície comercial e o centro da Cidade.

A elaboração do caderno de encargos e do programa do concurso foi confiada a uma empresa privada, sendo previsível que o concurso esteja a decorrer até final do ano, revelou a presidente da Câmara, Isabel Damasceno, segunda-feira, durante uma reunião com responsáveis por associações da cidade de Leiria, revela ainda o site da autarquia.

O encontro destinou-se a «prestar esclarecimentos e ouvir opiniões sobre a instalação de uma superfície comercial de dimensão regional em Leiria».

Em declarações à agência Lusa, Acácio de Sousa, presidente da Adlei – Associação para o Desenvolvimento de Leiria, revela que no encontro da passada terça-feira, entre a câmara de Leiria e as associações, «apontaram-se algumas preocupações e houve receptividade por parte da Câmara».

O dirigente adiantou ainda que «foi assumido o compromisso de que o centro comercial a aprovar terá de ser de grande qualidade, que requalifique a zona e a cidade» e afirma ainda que a reunião «foi proveitosa e elevou as expectativas».

Recorde-se que, em pouco mais de meio ano, a Câmara Municipal de Leiria recebeu três pedidos de licenciamento para três megas centros comerciais a instalar na cidade.

As três propostas resultaram num estudo, apresentado em Janeiro último, que aponta para uma quarta localização, entre o estádio e o mercado municipal, o que deu origem ao lançamento de um concurso público internacional para a construção de um centro comercial de dimensão regional naquela área.

Na corrida à única licença que a autarquia se propunha atribuir estiveram, por ordem de chegada, o Grupo MDC (Fórum Leiria), o consórcio Imocom/Poligreen (W Shopping Leiria) e a Vougainvest (Liz Shopping).

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.