Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Portugal perde cinco lugares no ranking mundial de exportações

Com a queda para 47º lugar no ranking dos exportadores de mercadorias e para o 35º na listas dos exportadores de serviços, Portugal pode ver comprometida a meta de registar um crescimento de 1,1% em 2006, revela a edição de hoje do Diário Económico.

Portugal viu, no ano passado, a sua posição deteriorar-se no ranking mundial de exportadores de mercadorias e de serviços, o que pode ser um mau sinal para as intenções do Executivo português em sustentar o crescimento económico de 2006 numa evolução de 5,7% das exportações, adianta aquele diário.

Segundo os dados preliminares da Organização Mundial de Comércio (OMC), Portugal caiu cinco posições no ranking dos exportadores mundiais de mercadorias, passando de 42º lugar para 47º. Com esta descida, Portugal foi ultrapassado pela Argentina e Chile, que no ano anterior estavam atrás da economia nacional. Imediatamente atrás da quota de mercado nacional em termos mundiais ficam a Ucrânia e o Vietname, cujas negociações de adesão à OMC entraram, em Março, na fase final.

Já ao nível das importações, Portugal manteve o 35º lugar entre os maiores importadores de mercadorias.

Na área dos serviços – responsáveis por cerca de dois terços da riqueza nacional – Portugal perdeu apenas duas posições, caindo do 33º lugar para o 35º. Uma tendência que se verificou também ao nível das importações de serviços uma vez que o país desceu da 41ª posição para a 42ª.

A perda de relevância de Portugal em termos de comércio internacional ganha dimensão pelo facto do Executivo de José Sócrates ter inscrito no Programa de Estabilidade e Crescimento, uma previsão de crescimento das exportações, em 2006, de 5,7%, para conseguir obter uma progressão do Produto Interno Bruto de 1,1%, salienta a publicação.

Perda de quota de mercado atinge novos sectores

O Banco de Portugal, no seu Boletim de Primavera, alerta que as perdas de quota de mercado das exportações nacionais já atingem sectores de «conteúdo tecnológico intermédio» como o automóvel. Por isso, o défice comercial tem-se agravado, atingindo já 11% do PIB.

As exportações têm vindo a perder competitividade, segundo o Banco de Portugal, não só devido à apreciação do euro, mas também devido ao maior crescimento dos custos unitários de trabalho e pelo padrão de especialização produtivo, que está demasiado assente em «produtos [têxteis, vestuário e calçado] com baixo conteúdo tecnológico e de capital humano», que assim enfrentam a concorrência feroz e directa das economias de baixos custos de mão de obra, como as asiáticas.

O resultado está patente na perda de quota total dos exportadores, que sofreu uma contracção de 3,7% contra os 3,8% em 2004.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.