Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário habilitar o JavaScript.Aqui estão as instruções de como habilitar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

Sendys e Alidata: 33 anos a inovar

São as duas software houses mais antigas do país, pertencem ao mesmo grupo, e encerraram 2016 com um volume de negócios total de 7,4 milhões de euros. Em causa estão a Alidata e a Sendys, pertencentes ao Sendys Group, a comemorar 33 anos com mais de dez mil clientes directos e implementações em 30 países. Para este ano, o objectivo passa por reforçar a internacionalização.

De capitais 100% nacionais, as empresas lideradas por Fernando Amaral estão presentes directamente nos mercados de Angola, Moçambique, Cabo Verde, Brasil e, recentemente, também na China. Para 2017, os planos de internacionalização das duas empresas passam pela América do Sul – Argentina, Chile e Colômbia – países onde estão já operações em preparação.

Complementaridade e soluções à medida

Ambas fundadas em 1984, a Alidata e a Sendys, são empresas com percursos e core business distintos e complementares. A Alidata é o principal player nacional na área automóvel, industrial e de manutenção, enquanto a Sendys conta com um software de gestão vocacionado para o sector financeiro e serviços, e para médias e grandes empresas. Em comum, as empresas têm o facto de desenvolverem e implementarem as suas próprias soluções. «Vamos directamente ao cliente, com a vantagem de não dependermos de terceiros para resolver problemas. Para além da eficácia, conseguimos também um preço mais competitivo», explica Fernando Amaral.

«Comemorar 33 anos é o maior certificado de inovação que podemos ter. Só inovando constantemente conseguimos manter a liderança de um mercado tão competitivo», adianta ainda o presidente do Sendys Group.

Fundada em Leiria, há 33 anos, a Alidata mantém a sede e actividade nesta cidade, onde emprega cerca de 50 pessoas, devendo à região 30% do seu volume de negócios. A empresa fornece soluções integradas de software e hardware, detendo uma quota de mercado dominante no segmento da manutenção automóvel. A Alidata é ainda especialista em soluções integradas para diversos sectores, como o industrial, manutenção de máquinas e equipamentos, distribuição, retalho, hoteleiro, entre outros. Em volume de facturação, a Alidata é a terceira maior empresa do país, a seguir à Primavera e PHC.

Solução de printing instalada pela OKI Japão

Desenvolvido pela Alidata, em Leiria, o Sendys Explorer é a solução mais internacional do grupo. Em causa está um software de printing e gestão documental, que está actualmente a ser instalado de origem pela OKI Japão, nas impressoras de topo de gama, destinadas a grandes clientes nos mercados onde actuam, nomeadamente Europa, Médio Oriente, África, Estados Unidos e México. Em causa está o «ex libris da empresa e o produto que a tem levado ao mundo inteiro», explica Fernando Amaral, acrescentando que representa actualmente 10% do negócio da Alidata.

Já o software que tem actualmente a marca Sendys nasceu na Prológica, em 1984, com a denominação SIG. Foi ainda detido pela Geslógica e depois adquirido pela multinacional francesa Capgemini, onde foi renomeado de Sendys, síntese de ‘sempre disponíveis’.

Génese do Sendys Group

Em 2009, Fernando Amaral lidera o spin off da área de negócio Sendys da Capgemini e cria a Sendys Portugal, que tem como clientes grandes consultoras multinacionais, banca ou as maiores empresas de contabilidade a operar em Portugal e nos PALOP.

Em 2011 é criada uma parceria estratégica entre Alidata e Sendys, que deu origem à compra da empresa leiriense por Fernando Amaral. Era a génese do Sendys Group, cuja criação foi formalizada em final de 2016, agregando, para além da Alidata e Sendys, mais cinco empresas de base tecnológica e uma outra de marketing e comunicação. Na mesma data é apresentado o rebranding que vem uniformizar a identidade corporativa das empresas, que empregam no total 130 pessoas em Portugal.

 

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.