Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário habilitar o JavaScript.Aqui estão as instruções de como habilitar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

O que pensam os gestores do conceito NewCo e como o materializam

No final de Novembro, nove empresas de Leiria abriram portas ao festival NewCo. O Leiria Económica foi ouvir o que pensam estes gestores do conceito norte-americano que defende que a empresa deve existir para além dos seus objectivos financeiros, comprometendo-se a contribuir para um mundo melhor. Esta semana, Paulo Faustino e Regina Santana, da Get Digital, e Tomé Miguéis, da Smartidiom. Na primeira pessoa.

1 – Como se materializa o conceito NewCo na sua empresa e na sua forma de estar enquanto empresário/gestor?

2 – Para quem não o ouviu no evento, o que diria para inspirar outros a adoptar esta filosofia?

 

Paulo Faustino e Regina Santana – CEO e CFO da Get Digital

1 – Procuramos ter uma abordagem diferente, tanto com os nossos funcionários, quanto com os nossos clientes. Ao nível interno, disponibilizamos todas as comodidades para que a nossa equipa se sinta confortável e em casa, nomeadamente comida, café, água, entre outras coisas, disponíveis sempre, sem qualquer custo. Todos eles trabalham de forma autónoma e sem controlo de horários, ou regras rígidas de trabalho.

Procuramos que cada membro da equipa seja totalmente autónomo e responsável pelo seu trabalho, o que lhes dá uma maior mobilidade e capacidade de gerir o tempo em função dos objectivos e da carga de trabalho.

Ao nível externo, procuramos essencialmente que todo o trabalho realizado permita aos nossos clientes atingir os resultados esperados. Muitas vezes sugerimos aos nossos clientes não investirem tanto, ou tomarem outro rumo para os seus projectos, quando consideramos que isso é realmente benéfico para eles. O dinheiro nunca é a prioridade. A nossa prioridade é sempre o nosso cliente e as suas necessidades, mesmo que isso signifique facturar menos, ou não realizar um trabalho.

2 – Acreditamos numa cultura empresarial transparente, em que todos os membros da equipa sabem tudo o que se passa dentro da empresa, quais os objectivos a cumprir e os trabalhos a realizar. Acreditamos igualmente que ao criarmos condições para que todos se sintam parte integrante da empresa e responsáveis pelo seu próprio trabalho, todos sentirão que estamos no mesmo barco e a remar para o mesmo lado. E é precisamente por conta dessa cultura empresarial aberta e transparente, que temos a melhor equipa do mundo e nos divertimos imenso com o nosso trabalho 🙂

 

João Tomé Miguéis | Digital Marketing Expert da Smartidiom

1 – Os valores da nossa empresa estão presentes em tudo o que fazemos. A estrutura base da Smartidiom assenta, desde a sua fundação, num pilar essencial que rege toda a nossa actividade: o respeito para connosco próprios e para com os outros. É essa a mensagem que tentamos transmitir a todos aqueles com quem contactamos.

Na Smartidiom acreditamos que, para sermos bem-sucedidos, não precisamos de ser desleais. É nossa prioridade oferecer as melhores condições de trabalho aos nossos colaboradores, contribuindo para uma cultura de “felicidade no trabalho”, assente nos seguintes princípios de responsabilidade corporativa:

  • Transparência, honestidade e igualdade de oportunidades
  • Respeito pela concorrência
  • Gestão de riscos
  • Adopção das melhores práticas
  • Comunicação aberta e transparente
  • Solidariedade social
  • Protecção da saúde e do bem-estar
  • Respeito pelo meio ambiente

No sentido de concretizar plenamente a nossa missão, estamos particularmente empenhados nos vértices abaixo:

Em relação aos nossos colaboradores, comprometemo-nos a ser uma entidade empregadora responsável, nomeadamente criando um espaço de trabalho que promove a felicidade laboral, com políticas de progressão profissional justas, equitativas e ambiciosas; promovendo o desenvolvimento profissional através de formações adequadas ao perfil de cada colaborador; e estimulando o diálogo entre colaboradores e chefias com vista à prossecução dos objectivos propostos pela empresa.

Em relação aos nossos fornecedores, e sendo eles uma parte vital da nossa organização, comprometemo-nos a criar condições de trabalho e oportunidades profissionais desafiantes.

Em relação à sociedade, o nosso principal objectivo é promover a integração social e a diversidade cultural. Tentamos melhorar a qualidade de vida dos nossos clientes, eliminando o mais possível as barreiras culturais e promovendo o acesso equitativo e justo à comunicação.

Em relação ao ambiente, ainda que o nosso negócio não envolva nenhum impacto significativamente nefasto para o mesmo, comprometemo-nos a minimizar o nosso impacto ambiental, gerindo o mais eficientemente possível os nossos recursos.

Particularmente a nível social, a empresa define, anualmente, um plano de acção de intervenção em diversas áreas, destinado às comunidades nas quais está inserida e que se manifesta de diferentes formas: associações, iniciativas locais, apoios e patrocínios, entre outros. As iniciativas já desenvolvidas permitiram contribuir para projectos e associações como: Sorrisos da Julinha, Padrinhos de Portugal, União Zoófila, Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral, Colégio D. Dinis – Internato Masculino de Leiria, e Bombeiros Voluntários de Leiria.

2 – A Smartidiom transmite esta mensagem de respeito e bem-estar geral a todos aqueles que interagem connosco, numa perspectiva de valorização e de apreço por todos. A primeira vantagem que daí retiramos é satisfação e a sensação de dever cumprido.

Sabemos que as pessoas são activos sensíveis, com alterações comportamentais imprevisíveis. Deste modo, acreditamos que é essencial desenvolver estratégias de motivação e de afiliação de modo a minimizar os riscos associados.

No caso dos recursos humanos da empresa, o desenvolvimento de estratégias de manutenção da felicidade laboral permite um maior sentido de pertença e maior respeito e a gratidão para com a empresa, o que permite ter ganhos significativos na rentabilidade e, por consequência, pode levar ao evangelismo da marca.

Em relação aos nossos parceiros e fornecedores, os ganhos dão-se, por um lado, pela melhoria processual e, por outro, pela identificação de objectivos comuns que permitem derrubar alguns entraves que separadamente seriam mais difíceis de ultrapassar.

No caso dos nossos clientes, a vantagem mais explícita é um sentido de pertença pela partilha de valores comuns com a marca que, em última estância, leva ao evangelismo da marca e a uma maior notoriedade da mesma e, consequentemente, das oportunidades de negócio.

 

REDACÇÃO | Célia Marques cmarques@leiriaeconomica.com

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.

AKI investe 500 mil euros na renovação da loja de Leiria

O AKI investiu 500 mil euros na renovação da loja de Leiria e está em processo de recrutamento de seis novos colaboradores. O objectivo passa por «reforçar o seu conceito de proximidade junto dos leirienses e actualizar a nova imagem da marca», explica a empresa em comunicado.