Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário habilitar o JavaScript.Aqui estão as instruções de como habilitar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

Fibersail promete facilitar a medição e manutenção de grandes estruturas

Nasceu a pensar na melhoria da performance dos barcos à vela de alta competição, mas está focado nos mercados da indústria eólica e do transporte marítimo. Em causa está um inovador sistema de medição à base de fibra óptica, desenvolvido por uma empresa de Leiria.

Trata-se do Fibersail, um sistema de medição e monitorização baseado em fibra óptica, que permite medir – através dos seus sensores, remotamente e com alta precisão – a forma de qualquer estrutura, nomeadamente navios de carga, ou pás eólicas.

Este inovador sistema, que tem por base uma tecnologia de fibra óptica desenvolvida pela NASA, promete revolucionar o modo como é feita actualmente a prevenção e monitorização da fadiga de estruturas.

«O sistema Fibersail mede a forma de estruturas em tempo real e em contínuo, o que permite conhecer o seu comportamento e – relacionando o comportamento com o meio envolvente – a sua condição», explicou ao Leiria Económica, Pedro Pinto, CEO da Fibersail.

No caso do transporte marítimo, este sistema permite perceber, por exemplo, se o navio vai bem carregado, quais os riscos de danificação e qual a forma de navegação mais adequada face ao seu estado, apresentando vantagens como a redução do tempo de paragem do navio, e dos seus custos de manutenção, o que se traduzirá ainda no aumento do seu tempo de vida útil.

No que toca à indústria eólica, ao prestar informação sobre o comportamento das pás em ambiente real, o sistema permite aos construtores criarem estruturas mais eficientes e seguras. Já aos operadores de turbinas eólicas, o sistema reporta eventuais anomalias no comportamento da pá, sem que para isso seja necessário esperar por uma inspecção, prevenindo falhas maiores, e reduzindo custos de manutenção.

«Depois de avaliarmos e validarmos várias indústrias potenciais onde podemos aplicar o sistema de monitorização, chegámos à conclusão que a indústria eólica é a que mais urgência tem neste tipo de sistemas e onde a nossa proposta de valor é a mais elevada, sendo actualmente o nosso foco de acção», explica Pedro Pinto.

Prova de conceito à escala real e com medições 3D

O projecto integrou o acelerador do programa BGI – ISCTE/MIT, de onde resultou um investimento por parte da Caixa Capital, que permitiu avançar nas validações de mercado.

A empresa terminou recentemente o desenvolvimento de modelo de larga escala, provando assim o conceito à escala real, e com medições em 3D, uma evolução face à anterior prova de conceito que media apenas em 2D.

«Estamos actualmente a apresentar a prova de conceito à escala real a vários clientes que têm vindo a acompanhar o projecto e esperamos vir a fechar alguns pilotos. O foco neste momento está em ganhar tracção, ou seja, clientes que queiram testar a tecnologia, depois de concluído o desenvolvimento de um Minimum Viable Product (MVP) que soluciona as actuais necessidades do mercado», acrescenta o responsável.

Génese da ideia

A ideia nasceu do encontro entre um medalhado dos Jogos Olímpicos de Atlanta em 1996, um treinador de vela e um investigador da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. O objectivo passava por criar um sistema que medisse a forma de barcos à vela de alta competição, com o objectivo de melhorar a sua performance, monitorizando em tempo real a forma das velas e mastros.

Prémios e distinções

Este inovador sistema venceu o Concurso Nacional de Inovação BES em 2015, na categoria de Economia Oceânica, e o Building Global Innovators, um concurso internacional de empreendedorismo de base tecnológica, tendo sido ainda seleccionado para integrar o acelerador do Porto de Roterdão (PortXL) e, recentemente, o acelerador KIC Climate, focado em energias renováveis, mercado onde a Fibersail está agora concentrada. A empresa, uma das start ups eleitas para marcar presença no Websummit, que decorreu esta semana em Lisboa, foi também seleccionada para apresentações no Accenture Innovations Awards e no Clean Tech Tour, ambos na Holanda.

 

REDACÇÃO | Célia Marques cmarques@leiriaeconomica.com

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.

AKI investe 500 mil euros na renovação da loja de Leiria

O AKI investiu 500 mil euros na renovação da loja de Leiria e está em processo de recrutamento de seis novos colaboradores. O objectivo passa por «reforçar o seu conceito de proximidade junto dos leirienses e actualizar a nova imagem da marca», explica a empresa em comunicado.