Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário habilitar o JavaScript.Aqui estão as instruções de como habilitar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

MagicSpace traz realismo e interactividade aos catálogos digitais

 

Imagine um catálogo digital em 3D, interactivo, que lhe permite ver como fica um móvel novo na sua sala. Já existe, chama-se MagicSpace e foi desenvolvido por uma empresa de Leiria. Marcas como a Capdell, Modus, Mitab, Branca Lisboa e Two Six já aderiram.

A ideia partiu de Nuno Frade que, enquanto técnico de 3D, se dedica à criação e desenvolvimento de imagens fotorealistas, e em 2011 decidiu tornar acessível ao público em geral a decoração de espaços com mobiliário em três dimensões e em tempo real.

O conceito foi materializado no MagicSpace, uma aplicação disponibilizada para sistemas que funcionam numa base iOS (iPhone, iPad e iPod), que não é mais do que um catálogo virtual em 3D, que permite às empresas com linhas de produção de mobiliário, ou designers, comercializar os seus produtos de forma interactiva com os clientes.

 

lc4-com-magicspace

O MagicSpace permite ver com realismo como fica uma nova peça no ambiente a decorar

«A forma de funcionamento é bastante intuitiva. É escolhida uma peça, a que se adiciona uma foto do espaço a decorar, sem restrições,  pode ser um jardim, uma sala de jantar, ou um quarto. Depois basta posicionar a peça no espaço, ou várias peças, o que torna possível testar diferentes cenários em tempo real», explica Nuno Frade.

A aplicação apresenta ainda vantagens como a pesquisa de produtos e a possibilidade de identificar a loja mais próxima que vende o artigo em causa, permitindo ainda aceder ao site do fabricante. O MagicSpace dispõe também de um separador de notícias, onde surgem as novidades da marca, mantendo os utilizadores sempre actualizados. O software permite posicionar e orientar as peças 3D, bem como a orçamentação dos móveis escolhidos e o acesso às especificações técnicas de cada produto.

Por outro lado, com o serviço estatísticas de marketing disponibilizado pelo MagicSpace, os fabricantes de mobiliário ficam também a saber onde foi utilizado o catálogo, quais os artigos mais experimentados e as cores mais apreciadas, o que representa «uma excelente ferramenta de análise do perfil do consumidor», acrescenta o empreendedor.

Uma solução mais económica e ecológica

Com o serviço MagicSpace, o design do catálogo, o tipo de papel, as quantidades a imprimir e o transporte deixam de ser problema, uma vez que a impressão é digital, a quantidade de catálogos é ilimitada e a sua distribuição feita através da App Store, acessível em qualquer parte do mundo através da internet.

A “MagicSpace free”, a aplicação exemplo que a marca disponibiliza gratuitamente, e onde se podem encontrar mais de 100 clássicos do mobiliário internacional, conta com cerca de 4.000 downloads a cada seis meses.

 

shell-com-magicspace

A aplicação permite às empresas de mobiliário comercializar os seus produtos de forma interactiva

 

Quanto às aplicações desenvolvidas para os clientes, a última contagem, feita em Junho, dá conta de quase vinte mil downloads. «Não são números elevados, se comparados com os downloads de um jogo, mas temos de ter em conta que estamos a lidar com um nicho de mercado, em que os principais utilizadores são profissionais da área, como revendedores, distribuidores e arquitectos. Com apenas um ano de internacionalização, considero que seja um número razoável», acrescenta Nuno Frade.

A MagicalStage – a empresa que Nuno Frade e os sócios Vítor Carreira e Miguel Frade constituíram em 2013 para materializar o projecto – marca já presença em mercados como Espanha e Suécia, estando neste momento a trabalhar a entrada na Dinamarca e em Itália.

Por agora o público-alvo são as empresas de mobiliário e designers, mas a solução apresenta outras aplicabilidades, como a construção modular, ou a joalharia e os acessórios de moda.

 

REDACÇÃO | Célia Marques cmarques@leiriaeconomica.com

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.

AKI investe 500 mil euros na renovação da loja de Leiria

O AKI investiu 500 mil euros na renovação da loja de Leiria e está em processo de recrutamento de seis novos colaboradores. O objectivo passa por «reforçar o seu conceito de proximidade junto dos leirienses e actualizar a nova imagem da marca», explica a empresa em comunicado.