Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário habilitar o JavaScript.Aqui estão as instruções de como habilitar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

12 mil milhões de dias de trabalho perdidos para a ansiedade e depressão

As contas são da Organização Mundial de Saúde (OMS) e dão conta de uma perda anual de 12 mil milhões de dias de trabalho, até 2030, devido a problemas de saúde como a depressão e a ansiedade, caso não sejam implementados esforços no sentido do reforço da prevenção e tratamento destes distúrbios. A notícia é avançada pelo The Guardian.

O fracasso no que toca a endereçar este tipo de problemáticas custará ao mundo cerca de um trilião de dólares em produtividade, até 2030 (925 mil milhões de dólares por ano) causando ainda «uma quantidade enorme de miséria humana», revela o estudo da OMS que alerta a comunidade internacional para a importância de fazer da saúde mental uma prioridade.

Segundo os cálculos da OMS, revelados pelo The Guardian, o custo de aumentar aconselhamento psicossocial e medicação antidepressiva durante os próximos 15 anos seria de apenas 147 mil milhões de dólares, face a uma melhoria de 5% na participação dos trabalhadores, que se traduziria num acréscimo de produtividade na ordem dos 399 mil milhões de dólares.

Segundo a OMS, o investimento de um dólar na depressão resulta num retorno económico médio na ordem dos 2,5 dólares.

«Precisamos de assegurar tratamento, já, aos que mais precisam, e nas comunidades onde vivem. Até que isso aconteça, a doença mental continuará a eclipsar o potencial das pessoas e economias», explicou Arthur Kleinman, professor de antropologia médica e psiquiatria na Harvard University, ao diário.

Para ler a notícia na íntegra, clique
aqui

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.

AKI investe 500 mil euros na renovação da loja de Leiria

O AKI investiu 500 mil euros na renovação da loja de Leiria e está em processo de recrutamento de seis novos colaboradores. O objectivo passa por «reforçar o seu conceito de proximidade junto dos leirienses e actualizar a nova imagem da marca», explica a empresa em comunicado.