Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário habilitar o JavaScript.Aqui estão as instruções de como habilitar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

Produto desenvolvido pela Vipex reconhecido com prémio de inovação

Célia Marques

Um produto desenvolvido pela Vipex, em parceria com a Pyrex, foi reconhecido com um prémio de inovação, atribuído pela Ipsos, empresa líder em estudos de mercado, e LSA, revista francesa especializada no grande consumo. Em causa está um conjunto de caixas de vidro com tampa de plástico, cuja concepção esteve a cargo da empresa sedeada na Marinha Grande, e o prémio resulta da votação dos consumidores na categoria de “desperdício e reutilização de alimentos”.

«A Pyrex lançou um concurso internacional para o desenvolvimento das tampas de plástico para caixas de vidro, que teriam de ir ao congelador, ao microondas, à máquina de lavar e à mesa. Sugerimos o material, idealizámos o processo de produção e pensámos até em formas de reduzir o custo do produto para o cliente, através de uma redução de espessura que não colocava em causa a sua qualidade», explica Jorge Santos, fundador da Vipex.

O produto, que tinha de ser estanque e suportar uma temperatura de 120 graus, foi desenvolvido com o apoio de uma empresa de moldes e outra de design, recorrendo ainda a um laboratório de análises, e em permanente interacção com o cliente, e representa uma alteração estratégica da Vipex, no sentido de se antecipar na cadeia de produção, de forma a participar activamente no desenvolvimento do produto, fazendo-se reunir das competências necessárias para o fazer.

«Queríamos demonstrar que temos competências para fazer desenvolvimento de produto, e ser mais do que simples produtores. Temos vindo a desenvolver metodologias internamente nesse sentido, metodologias avançadas da qualidade e ferramentas Lean. Fomos beber a melhor metodologia da indústria automóvel, embora não trabalhemos com ela», adianta o responsável.

Ao participar no desenvolvimento de produto, ainda na fase de design e concepção do mesmo, a Vipex pretende aumentar o valor acrescentado do seu trabalho, um valor que é partilhado com o cliente, no sentido da apresentação de soluções de melhoria de qualidade e preço.

«Com técnicas de resolução e antecipação de problemas, antecipamos e minimizamos erros, antes da fase da produção, o que tem implicações positivas no custo do produto, na qualidade e no prazo. Havendo menos rejeições, há também menos consumo de matéria-prima, energia, e mão-de-obra, sem colocar em causa a funcionalidade do produto. Neste caso, por exemplo, antecipámos, antes de avançar com a produção, a necessidade de aumentar o tamanho do rebordo da tampa», adianta.

Com o envolvimento na fase de desenvolvimento de produto, a Vipex garantiu, em apenas um projecto, uma facturação superior a 500 mil euros e angariou o desenvolvimento de mais duas tampas para o alargamento desta gama da Pyrex.

«Este ano está a correr dentro das expectativas, com um crescimento das vendas na ordem dos 10% face ao ano anterior e sem problemas de crédito. Para 2012, os objectivos passam por diversificar a carteira de clientes para outros sectores, com este nosso novo posicionamento enquanto especialistas em desenvolvimento, industrialização e produção, ou seja reforçar a componente maior de prestação de serviços. Queremos também reforçar a presença em Espanha e França, dois mercados prioritários para a Vipex. O objectivo passa por manter a taxa de crescimento das vendas em 10%, que tem sido a média dos últimos dez anos, garantindo um equilíbrio financeiro para não termos problemas de tesouraria», conclui o responsável.

Responsáveis máximos da Pyrex na Marinha Grande

O director de marketing, responsável de compras e responsável de desenvolvimento da Pyrex vão estar na Marinha Grande, para participar nas primeiras Conferências Internacionais do Design, que terá lugar entre 22 e 30 de Outubro, no Parque Municipal de Exposições da Marinha Grande.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.