Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário habilitar o JavaScript.Aqui estão as instruções de como habilitar o JavaScript no seu navegador.

Responsabilidade Social Empresarial

Empresários de Leiria revelam como retêm o capital humano

Rui Marques
rmarques@leiriaeconomica.com

Dar bilhetes de cinema e contratar professores para dar aulas de português, inglês, filosofia, matemática e castelhano, foi a fórmula encontrada por José Ribeiro Vieira, administrador do Grupo Movicortes, para «desenvolver as capacidades dos seus colaboradores e, consequentemente, melhorar a sua qualidade de vida».

No colóquio sobre Responsabilidade Social das empresas e qualidade de vida, realizado na Escola Superior de Educação de Leiria, o mesmo dirigente afirma que «quem não sabe falar, também não sabe pensar». Se de início a ideia não é muito bem recebida, «quando se apercebem que progrediram, ajustam-se e sentem-se bem, o que é salutar para a empresa, para além de se traduzir numa melhoria do ambiente de trabalho», adiantou.

Actualmente, uma empresa ou entidade necessita de uma força de trabalho saudável, motivada e competente que permita a prossecução dos objectivos estratégicos estabelecidos, num contexto altamente competitivo e em constante mutação. Para tal, a empresa precisa de responder adequadamente às exigências dos seus colaboradores e da comunidade envolvente, no que diz respeito ao seu bem-estar e qualidade de vida.

Nuno Rodrigues, director de Recursos Humanos da Roca, salientou a importância dada ao bem-estar dos seus colaboradores, referindo, por exemplo, que a empresa tem sempre disponível assistência médica.

Apostar no recrutamento interno

Por outro lado, segundo Nuno Rodrigues, quando a Roca necessita de pessoas para cargos superiores, aposta sempre no recrutamento interno, motivado pelo bom desempenho dos seus trabalhadores. «Assim, havendo um acesso fácil à hierarquização, promovemos o trabalho interno da empresa e consequentemente estimulamos os nossos trabalhadores a realizar um bom trabalho», justificou.

Francisco Santos, director do Região de Leiria, explica que a forma encontrada pelo jornal para promover o bem-estar dos seus colaboradores passa, por exemplo, pelas sessões plenárias que costumam ter no open space. Decidir o que fica na primeira página, ou em que projectos de solidariedade social vão estar envolvidos, passa pelo conhecimento e decisão de todos os funcionários daquele jornal.

Segundo o mesmo responsável, é devido a este ambiente de trabalho que, apesar dos não receberem salários elevados, continuam se mantêm na organização.

Paralelamente, salientou, outra forma encontrada para criar coesão reside no facto de até a responsabilidade social da empresa passar pelos seus colaboradores. Na última campanha realizada por aquele semanário – prevenção para o uso do colete reflector – foram os colaboradores do Região de Leiria que serviram de modelos para os cartazes.

Outra das iniciativas de responsabilidade social do Região de Leiria é a oferta das receitas da edição de Natal do jornal às pessoas mais carenciadas, sendo esse jornais vendidos por figuras públicas e pelos colaboradores do Região de Leiria.

Este colóquio surgiu com o objectivo de «reflectir sobre os desafios e dificuldades que se colocam às empresas na articulação da sua competitividade com a satisfação e desenvolvimento dos seus colaboradores e dar a conhecer as práticas que podem ser desenvolvidas pelas empresas na assunção da sua responsabilidade pela promoção da qualidade de vida e pelo desenvolvimento social, económico e ambiental», um objectivo que, segundo a organização, foi conseguido.


Glossário

Conceitos diferentes para um objectivo único

Célia Marques

Conceitos como responsabilidade social, sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, consumo responsável, marketing responsável e empresas socialmente responsáveis apreendem-se desde cedo e estão, em teoria, incluídos nos currículos ao longo de toda a escolaridade. A sua presença vai tornar-se ainda mais visível na década 2005/2015, declarada, pelas Nações Unidas, como a Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável.

Responsabilidade Social – Segundo as definições apresentadas no Dictionnaire du Développement Durable, da AFNOR (Association Francaise de Normalisation), é a integração voluntária das preocupações sociais e ambientais das empresas nas suas actividades comerciais e nas suas relações com as partes interessadas.

Responsabilidade Social Empresarial (RSE) – É a forma de gestão que se define pela relação ética e transparente da empresa com os públicos com que se relaciona e pelo estabelecimento de metas empresariais compatíveis com o desenvolvimento sustentável (DS) da sociedade, preservando recursos ambientais e culturais para gerações futuras, respeitando a diversidade e promovendo a redução das desigualdades sociais. A RSE estende-se a conceitos como ética, corporate governance, cidadania empresarial e gestão estratégica (para além da ecologia) e engloba um conjunto de áreas de conhecimento multidisciplinar, que favorece o alcance do ideal do desenvolvimento sustentável.

Desenvolvimento Sustentável – Pode definir-se como «o desenvolvimento que responde às necessidades de hoje sem comprometer a capacidade das gerações futuras em responder às suas», segundo o relatório da Conferência Mundial de Meio Ambiente e Desenvolvimento, subordinada ao tema «Nosso Futuro Comum», que decorreu em 1987.

Sustentabilidade – Conjunto de condições nas quais um sistema evolui e pode perpetuar-se.

Consumo Sustentável ou Consciente – Prende-se com a necessidade de mudar a forma da utilização dos recursos ambientais e económicos de maneira a responder às necessidades e a aumentar a qualidade de vida para todos, regenerando os capitais para as gerações futuras. Trata-se de consumir, sem consumir o mundo em que vivemos, e traduz-se num acto de cidadania. O Instituto Akatu define o consumo consciente como um processo de escolha que equilibra o consumo e a sustentabilidade social e ambiental do planeta. O consumidor consciente busca a harmonia entre a sua satisfação, a preservação do meio ambiente e o bem-estar social e atende ao impacto dos seus actos cada vez que usa água ou energia eléctrica, lida com o lixo ou compra algum produto.

Marketing Responsável – Traduz-se na utilização de estratégias que não ponham em causa a sustentabilidade.

Empresas Socialmente Responsáveis – Todas as que procuram satisfazer não só as obrigações legais, como investir, de forma voluntária, no seu capital humano, no ambiente, e nas relações com as suas partes interessadas.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.